Campanha Esperançar

A Campanha Esperançar – vidas negras importam e mulheres negras precisam ser escutadas – nasceu em reação ao assassinato brutal de Marielle Franco. Neste momento, com o objetivo de promover o autocuidado e auto-amor, fundamentais para mulheres negras, através da leitura, a campanha se espalhou numa reflexão necessária: quantas autoras negras você já leu?

Historicamente, as vozes de mulheres negras são silenciadas pela estrutura racista e sexista que orienta nossas vidas e ações conscientes e inconscientes. Ciente disso, durante 30 dias, ao vivo, no meu perfil no instagram, indiquei 30 autoras negras. Foram diversas vozes negras: piauienses, cearenses, cariocas, mineiras, norte-americanas, jovens, idosas, lésbicas, bissexuais, artistas, professoras, ativistas, etc.

Esperança Garcia foi inspiração para a campanha. Esperançar é o verbo que usamos desde o inicio da Pós-Graduação em Direitos Humanos Esperança Garcia. Entendemos que a nossa Esperança não espera, age, com força e altivez diante das injustiças.

A Campanha foi se tornando uma rede de cuidado, amor, força, coragem e esperança em um momento difícil. Várias pessoas postaram também suas indicações e nos conectamos através da hashtag #campanhaesperançar. Iniciamos a campanha em roda-protesto em luto pelo assassinato de Marielle e encerramos em roda-coragem reivindicando justiça para Marielle e plantando Marielle semente. Boas leituras, intensas transformações. Vidas negras importam e mulheres negras precisam ser escutadas. Esperançar é o verbo que conjugamos no presente e no plural.